Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Moda & Style

por Joana Freitas

Moda & Style

por Joana Freitas

Feng Shui: descubra o que a sua casa diz sobre si e utilize as nossas dicas!

O Feng Shui é uma arte milenar, oriunda da Ásia, que visa atrair boas energias, prosperidade e harmonia para o seu lar. Através de um conjunto de técnicas conseguirá preservar as boas influências, reduzir os efeitos negativos que a casa tem sobre si e, ainda, melhorar a sua saúde e daqueles que habitam no mesmo espaço.

 

Por uma questão de mera curiosidade, a sua casa, desde o ano da sua construção, captou oito pontos cardeais tais como: Sul, Sudoeste, Oeste, Noroeste, Norte, Nordeste, Este e Sudeste). Para além deste pormenor, o seu lar captou também energias de prosperidade, stress, saúde, amor, problemas financeiros, entre outros. O que deverá fazer é tentar descobrir onde é que se situam as más energias e tentar mudá-las através de um conjunto de técnicas que são capazes de o ajudar.

A pergunta base começa por: “Como é que eu posso adaptar a minha casa Feng Shui utilizando essas técnicas?”

 

É fácil, não se assuste! O Feng Shui tem regras tão simples como:

  • Entrar sempre pela porta principal uma vez que é a mais importante e atrai boas energias para todos os moradores;
  • Se tiver revistas velhas, objetos ou roupas que já não use mais, dê a alguém conhecido ou a alguma instituição de caridade;
  • Manter o fogão sempre limpo sem resíduos de refeições, isso atrai más energias;
  • Os armários devem estar organizados e apenas com objetos que utilize com alguma regularidade;
  • Use espelhos para ampliar a sua casa;
  • Cultive o bom humor! Um simples sorriso pode mudar o ambiente, atraindo boas energias;
  • Ter pensamentos positivos. O maior inimigo do ser humano é o pensamento negativo e cabe a si mudar isso, captando boas energias.

 

É importante termos consciência do lugar onde vivemos e tentarmos alcançar mudanças positivas! Comece já a usar as nossas dicas Feng Shui e abra a porta para que as boas energias entrem.

 

Texto de Rafaela Serrão